Você está visualizando atualmente Super Bug Glaspac – Curiosidades do Planeta #14
Super Bug Glaspac - 4Rodas

Super Bug Glaspac – Curiosidades do Planeta #14

Super Bug Glaspac

Com este pomposo nome, este buggy foi apresentado como protótipo, na edição 143 da revista 4Rodas em 1972.

As imagens a seguir são da revista 4Rodas, recuperadas do site Lorena GT (online em março de 2023), com transcrição feita pelo Planeta a seguir. 

A Transcrição do Texto da 4Rodas

Mais um bug (sic) surge no mercado brasileiro: o Super Bug Glaspac, fabricado em São Paulo pela Glaspac. Parecendo mais um carro esporte do que um bug convencional, ele se destaca por suas linhas aerodinâmicas, com a frente baixa em forma de cunha e a traseira com um santoantônio tipo targa (semelhante ao do Porsche Targa) integrado na carroceria. Visto de lado, o carro é curto e baixo e a linha lateral da “cintura” descreve uma curva cuja parte mais alta é a do meio, onde ficam as portas (pouco comuns em bugs) de formato original e funcionamento curioso: para abri-las, basta puxar um botão no interior do carro que aciona um mecanismo automático de molas. E faz com que elas se levantem.

A Mecânica e o Veneno

Como qualquer outro bug, o Super tem carroçaria de fibra de vidro montada sobre a plataforma de um Volkswagen. A distância entre eixos foi encurtada em 38cm e tanto a suspensão – dianteira e traseira independentes – como o motor são também VW.

No protótipo do Super Bug Glaspac testado por nós, a mecânica original foi pouco modificada: rodas mais largas, suspensão traseira rebaixada e motor mais forte e potente com a montagem de um kitão – conjunto de pistões e cilindros da Vicsa (Ind. Villares) – que elevou a cilindrada para pouco mais de 1800cc. Mas esse envenenamento do motor é apenas uma sugestão do fabricante, pois o bug poderá ser equipado também com motores 1300 ou 1500 de série, ou qualquer outro com mais veneno do que o que estava no protótipo (com 2000cc, dupla carburação importada, comandos de válvulas e cilindros especiais, sistema de refrigeração a óleo mais elaborado, virabrequim roletado, produzindo 80HP ou mais de potência e fazendo o carro alcançar de 150 a 160km/h).

Mas a preparação maior ou menor de um bug depende do gosto e da disponibilidade financeira do comprador, pois o fabricante geralmente se interessa em vender a carroceria e manda fazer a parte mecânica numa oficina especializada qualquer, de sua preferência ou indicada pelo comprador.

Bugs e Sorvetes

O fabricante do Super bug é a Indústria de Plástico Reforçado Glaspac Ltda. (Rua Manuel Preto, 870, Santo Amaro, São Paulo), especializada em manufatura de peças de fiberglass. A fábrica existe desde 1962 e seu diretor, Donald Pacey, foi o primeiro fabricante de autênticos bugs no Brasil. O Bug Glaspac foi lançado em novembro de 1969 e Donald orgulha-se de ter vendido um deles ao corredor inglês Graham Hill, ex-campeão mundial de Fórmula 1, e de ter exportado outros para o Líbano, o Paraguai e o Uruguai.

Do Bug Glaspac foram fabricadas 460 unidades até julho deste ano e o modelo continuará sendo produzido ao lado do mais sofisticado e caro Super Bug Glaspac. Mas os bugs são apenas um dos produtos da Glaspac, que fabrica também pranchas de surfe, carrocerias especiais para o pickup Chevrolet (usadas pelas Indústrias Pignatari, na Bahia), peças moldadas para o novo Volks esporte, peças para a Ford, a Caterpillar, a Mercedes-Benz e a Skol. E ainda carrinhos de sorvete para a Kibon e a Rico.

Com a mesma ideia que originou a criação de outros bugs nacionais, como Woody Sport, o Bugre SS e o Adamo, Donald Pacey decidiu aplicar sua experiência no projeto de um carro de concepção e mecânica idênticas às de um bug normal e que ao mesmo tempo tivesse “personalidade” de carro esportivo. Surgiu assim o Super Bug, com uma carroçaria mais completa, mais conforto e mais velocidade do que um bug comum.

A Carroçaria

As principais diferenças entre Super e um bug convencional são, além das linhas do novo carro, suas portas, seu pequeno porta-malas dianteiro, a tampa traseira do compartimento do motor, os para-lamas envolventes (também revestidos internamente) e o interior mais bem acabado, embora só haja lugar para duas pessoas.

O painel, por seu desenho e pela variedade de instrumentos, parece o de um carro de luxo, apesar de não ser acolchoado (é também de fibra de vidro). Em frente ao pequeno volante esportivo Fórmula 1 forrado de couro, estão sete mostradores redondos. Os dois maiores são o velocímetro e o conta-giros, ladeados à esquerda por um termômetro de óleo e um marcador de pressão de óleo; e, à direita, por um amperímetro (indicador da carga da bateria) e um vacuômetro (instrumento que ajuda a economizar combustível). No centro do painel há ainda quatro luzes de aviso em cores diferentes, para indicar o funcionamento do pisca-pisca, do farol alto, a pressão de óleo do motor e o dínamo. O indicador do nível de gasolina está entre os dois mostradores grandes.

A posição do volante é muito boa e os assentos, em forma de concha, basculantes e forrados de Courvin, apoiam bem o corpo e não provocam cansaço, mesmo em viagens longas. Pequenos objetos podem ser guardados nos vãos do interior das portas e a bagagem é acomodável na traseira, que se alcança facilmente, pois os assentos são basculantes. O santoantônio é fixo e seus prolongamentos laterais, que se estendem sobre a traseira do carro, servem de moldura ao vidro traseiro.

O para-brisa é bastante inclinado, a fim de dar melhor aerodinâmica e permitir maior velocidade máxima. É plano e permite boa visibilidade, mesmo em dias de chuva. O vão entre o para-brisa e o santoantônio é pequeno e pode ser fechado com uma pequena capota, de fácil colocação. As janelas laterais foram substituídas também por uma espécie de capota cuja parte central é de plástico transparente.

O Desempenho

Chegamos a correr com o Super Bug a uns 140km/h, sem que ele deixasse de inspirar confiança. Sua estabilidade direcional na estrada é boa e nas curvas podemos atingir também excelentes velocidades médias. Como todo bug, o carro é firme e tem estabilidade neutra. Só em velocidades muito elevadas é que mostra tendência de derrapar com as rodas traseiras. Mas, em qualquer situação o motorista poderá se sentir seguro no Super Bug: em circunstância alguma ele ameaça capotar.

O carro que testamos é o primeiro protótipo construído pelo fabricante e por isso ainda mostra algumas falhas de acabamento, que não deverão aparecer nas unidades destinadas à venda. A capota e o revestimento lateral que substitui as janelas soltaram-se quando o carro estava em alta velocidade e, quando choveu, entrou muita água. A carroceria também precisa de melhor ajuste. Tudo isso, porém, Donald Pacey promete corrigir até novembro, quando o Super Bug será lançado oficialmente no Salão do Automóvel. Até lá, ele deverá ter uma capota de fibra de vidro para substituir a de lona, as laterais serão moldadas com janelas de plexiglass e deverão estar acertados diversos pequenos detalhes, como a ausência de dobradiças na tampa do motor.

O Super Bug pode ser vendido desmontado, em kit, incluindo rodas, pneus (como a maioria dos bugs, o Super não tem estepe) e todos os demais acessórios. Nesse caso, seu preço deverá ser de Cr$ 10.000,00 aproximadamente. O chassi, o motor e a suspensão ficam por conta do comprador, que economizará bastante se utilizar a mecânica de um Volkswagen usado. Assim, incluído o serviço de montagem, o carro ficará por uns Cr$ 17.000,00. Mas, se for equipado com mecânica “zero km”, seu custo se elevará a uns Cr$ 20.000,00.

Embora seja um preço um pouco elevado para um bug, deve-se levar em conta que esse não é um modelo convencional: ainda que mostre algumas das qualidades espartanas típicas de bug, o Super também dará ao seu dono algumas comodidades de um carro esporte.

Comentário do Planeta

Não encontrei notícia alguma da produção em série do Super Bug Glaspac. Provavelmente, tratou-se de uma carroceria original do Manx SR, adquirida nos EUA e montada aqui, para servir de balão de ensaio do mercado.

Também não achei notícia sobre a apresentação deste modelo no Salão do Automóvel de 1972. Se alguém souber, avisa ali nos comentários.

Bruce Meyers disse que fez a carroceria com formas muito complexas, de maneira a dificultar a cópia. Ironicamente, esta também foi uma das razões para ele próprio ter feito relativamente poucas unidades, pelo alto custo envolvido.

Talvez, também por isso, o Super Bug Glaspac não tenha passado de um protótipo.

A seguir, algumas imagens do Manx SR, que estavam no site Old Bug e que é de um colecionador. “Lambo doors” antes da Lambo!

Na reportagem há uma referência ao fato de não ter dobradiças no capô traseiro. No original não tinha, o capô era retirado para ter acesso ao motor.

Conheça O Buggy Glaspac no Planeta

Clica na imagem abaixo para conhecer um pouco da história da Glaspac. Como sempre, se tens algo a acrescentar, alguma informação sobre o Super Bug Glaspac ou qualquer outro buggy, manda ali embaixo nos comentários, no Fórum ou no Grupo do Facebook.

O que Achou deste “Buggy”?

Esta foi a “Curiosidades do Planeta #14”, o Super Bug Glaspac.

Conheça as outras Curiosidades do Planeta, clicando na imagem a seguir.

As Atualizações do PB

A seguir, os links para as atualizações mais recentes do Planeta Buggy. Ou clica em “novidades” no menu superior, para ver todas as publicações em ordem cronológica.

Visita as redes sociais do Planeta. Grupo e Página no Facebook

Este post tem 2 comentários

  1. Chevas

    Muito legal esse vermelho do colecionador.

    1. Beco

      estava à venda por 15.500 dólares, mas aceitava ofertas. Achei barato, até para os padrões gringos.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.