Você está visualizando atualmente Buggy Terral 2 e 4
Buggy Terral - Rio de Janeiro

Buggy Terral 2 e 4

Buggy Terral

O Terral foi fabricado pela Fibrario, do Rio de Janeiro, com projeto do chassi de Paulo Renha e o design da carroceria ainda não identifiquei o autor.

O chassi é semelhante ao do Emis, também projetado pelo Paulo Renha, e é feito com dois ferros com perfil em “U”, soldados para fazer um tubo de seção retangular, onde ficam alguns componentes como cabo de embreagem, trambulador, freio de mão, entre outros.

Nas extremidades deste tubo, outros fazem a ligação com a suspensão dianteira e com o suporte da caixa e suspensão traseira. 

É o que a fábrica chamava de duplo “Y”.

Este chassi dá ao Terral uma estrutura bem rígida e com um comportamento esportivo quase neutro, saindo de traseira em curvas no limite.

Como muitos buggies, o buggy Terral também aproveitava muitos acessórios de outros veículos, como as sinaleiras traseiras do Gol, os faróis do Chevette e por aí vai. Além, é claro, de toda a mecânica VW, principalmente da Brasília.

O Estilo

Sempre tive curiosidade de saber qual nasceu primeiro, o buggy Terral 2 ou o buggy Terral 4. 

Na reportagem da 4Rodas de janeiro de 1983, esta dúvida foi sanada, já que a apresentação do buggy foi apenas do de dois lugares, o que comprova que o de quatro lugares ainda não estava em produção.

E, olhando a lateral dele, as linhas são mais harmoniosas e fluídas no buggy Terral 2. O 4 tem um pequeno alongamento para caber mais dois lugares bem pequenos.

O painel do Terral é minimalista mas nem por isso deixa de ser bonito. Talvez, com volantes pequenos, a visibilidade não seja das melhores.

Na galeria a seguir, algumas fotos mostrando detalhes do buggy e as diferenças entre os buggies Terral 2 e o 4.

Aparentemente, o capô traseiro é de igual tamanho nos dois. Se alguém tiver como medir, seria interessante para informação. 

O espaço ganho para o banco traseiro é exatamente no entre-eixos, que é 1,90m no Terral2 e 2,40m no Terral4.

Outra diferença no estilo entre os dois, é que o Terral4 foi fabricado com santoantônio tubular, provavelmente para maior conforto dos passageiros do banco traseiro.

Segundo a Lexicar, o Terral foi produzido até 1986, quando as formas e direitos foram transferidos para outra empresa.

Revista 4Rodas de Janeiro de 1983

Uma reportagem mostrou o Terral2 com muita informação. O Planeta fez a transcrição para facilitar a leitura.

Confere clicando neste link ou na imagem a seguir.

Os Buggy Terral que Estão no Planeta

Terral2 do Flácio Humberto

O Terral2 do Flácio tem um excelente acabamento, principalmente no interior. Um primor de buggy!

Terral4 do Adriano

O único Terral4 do Planeta. Além do maior comprimento e, claro, do banco (pequeno) traseiro, este modelo não tem a targa de fiberglass, mas um santoantônio tubular duplo.

Terral2 dos Irmãos André e Marcos

Os Irmãos Grilo cresceram com um Terral do pai deles. Mas, quando quiseram reformá-lo, ele não permitiu.

A solução foi comprar outro Terral!

O Terral2 do Edmilson

Nesta postagem de 2005, algumas fotos mostrando em detalhe o interior e como os bancos se encaixam na fibra da carroceria.

Conheça Outros Buggies do Acervo do Planeta

O Planeta Buggy tenta mostrar todos os buggies que já foram fabricados no Brasil. Nesta página, mostramos o Buggy Terral, fabricado no Rio de Janeiro na década de 80.

Claro que a tarefa de colocar aqui todos os que já foram fabricados no Brasil é impossível, mas vamos perseguir a meta de colocar os mais conhecidos, pelo menos!

Clica na imagem abaixo e vais acessar uma página índice com os que já estão por aqui.

As Atualizações do PB

A seguir, os links para as atualizações mais recentes do Planeta Buggy. Ou clica em “novidades” no menu superior, para ver todas as publicações em ordem cronológica.

Visita as redes sociais do Planeta. Grupo e Página no Facebook

Este post tem 2 comentários

  1. Etvaldo

    Eu tbm tenho um terral 4 ,Aki em Belém do Pará

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.